Beatriz Barros: “O Brasil é um ótimo lugar para estudar políticas públicas”
Recanto das Emas, Brasília, DF, Brasil. Foto: Dênio Simões/Agência Brasília
Recanto das Emas, Brasília, DF, Brasil. Foto: Dênio Simões/Agência Brasília

Como fatores eleitorais afetam investimentos públicos em saúde e educação? Essa é uma das questões norteadoras da pesquisa de Beatriz Barros, doutoranda na Universidade de Princeton, nos Estados Unidos. Entre março e dezembro de 2022, ela esteve em São Paulo para atuar como pesquisadora visitante do Instituto de Estudos para Políticas de Saúde (IEPS). 

Nascida no Brasil e criada nos Estados Unidos, Barros conta como a experiência no Brasil foi importante para a construção de sua pesquisa.”O Brasil é um ótimo lugar para estudar políticas públicas por causa do Sistema Único de Saúde (SUS) e pela disponibilidade de dados”, explicou. 

Em entrevista para o IEPS Entrevista, a pesquisadora destaca sua temporada no IEPS como uma oportunidade para conhecer novos colegas, para dialogar com comunidade intelectual do IEPS e aprender mais sobre pesquisas com impacto social. 

Confira a entrevista completa: 

IEPS: Como começou sua relação com o Brasil e porque escolheu o país para um intercâmbio de pesquisa? 

Beatriz Barros: Eu nasci no Brasil e me mudei para os Estados Unidos ainda jovem, mas  voltava frequentemente ao país durante as férias para visitar o meu pai e a minha família. Durante esses anos, sempre fui muito interessada nas diferenças entre as políticas públicas dos dois países, principalmente na educação e na saúde. Eu gostava de conversar com meus primos que viviam no Brasil sobre as escolas onde estudavam para comparar as nossas experiências.  Sempre quis passar mais tempo no Brasil e a carreira acadêmica me permitia isso, então tomei essa decisão ao escolher minha pesquisa. 

IEPS: Quais atividades você realizou e como era seu dia-a-dia de trabalho no IEPS? 

BB: Consegui uma bolsa do Programa Fulbright que me deu a oportunidade de morar no Brasil. Iniciei as atividades de forma remota, mas sempre em contato e trocando ideias virtualmente com a equipe. No dia-a-dia, pude realizar entrevistas e coletar dados e documentos de origem primária. A equipe da Diretoria de Pesquisa do IEPS foi essencial para que eu pudesse compreender os sentidos e contextos dos muitos dados de saúde que existem no país.   

Beatriz Barros: “O Brasil é um ótimo lugar para estudar políticas públicas”

Foto: Beatriz Barros/Arquivo Pessoal

IEPS: E como essas tarefas que você realizou durante o estágio no IEPS se relacionam com a pesquisa que você desenvolve na sua universidade? 

BB: Minha tese explora como fatores eleitorais afetam os investimentos nas redes de atenção básica, principalmente na saúde e educação. Na pesquisa, tento entender como as causas políticas podem contribuir para o alto número de obras paralisadas e inacabadas na saúde, por exemplo.  O Brasil é um ótimo lugar para estudar políticas públicas por causa do Sistema Único de Saúde (SUS) e pela disponibilidade de dados, então estar no IEPS foi muito importante para o desenvolvimento da pesquisa. 

IEPS: Pessoalmente, como foi a experiência de estar no Brasil durante o intercâmbio? 

BB: Eu adoro o Brasil e sempre desejo voltar. Apesar de ser brasileira e de ter visitado o país muitas vezes ao longo da vida, esta foi minha primeira vez morando no Brasil. Eu tive a oportunidade de conhecer muitas pessoas interessantes, comer comidas espetaculares e conhecer partes do país que eu nunca tinha visto antes. 

IEPS: Quais conselhos você daria para outros pesquisadores que estão considerando fazer estágio no IEPS?

BB: Simplesmente isso: faça o estágio! O IEPS é cheio de pessoas inteligentes, simpáticas e ótimas no trabalho. Você vai fazer grandes amizades e contribuir para uma instituição onde pessoas realmente acreditam na missão. Estar no IEPS é um ótimo aprendizado sobre como realizar pesquisas com impacto social.