Capital paulista já ocupa até 89% dos leitos de UTI da rede municipal
Hospital Dr. Ignácio Proença de Gouvêa, na Mooca (zona leste); rede municipal atingiu 89% de ocupação de leitos de UTI na última quarta – Ronny Santos/ Folhapress
Hospital Dr. Ignácio Proença de Gouvêa, na Mooca (zona leste); rede municipal atingiu 89% de ocupação de leitos de UTI na última quarta – Ronny Santos/ Folhapress

O coronavírus já provoca a ocupação de até 9 em cada 10 leitos de UTIs (unidades de terapia intensiva) dos hospitais públicos municipais da capital paulista e deixa o serviço de saúde da cidade à beira do colapso.

Professor da FGV e diretor de pesquisa do Instituto de Estudos para Políticas de Saúde (IEPS), Rudi Rocha afirma que, em geral, hospitais funcionam com capacidade alta mesmo em países desenvolvidos. Porém, diz que a situação em São Paulo está muito próxima do limite.

“Com a interiorização da doença, sendo as capitais polos tão importantes, o risco é que rapidamente a pressão de demanda aumente”, diz.

Leia a reportagem completa no site do jornal “Agora São Paulo”