Contra a obesidade infantil, Rio pode proibir alimentos ultraprocessados nas escolas públicas e privadas
Alguns panificados e refrigerantes podem ser banidos Foto: Gabriel de Paiva/ Agência O Globo
Alguns panificados e refrigerantes podem ser banidos Foto: Gabriel de Paiva/ Agência O Globo

O presidente da Câmara Municipal, Carlo Caiado, quer levar à votação em segunda discussão o projeto de lei que proíbe oferecer aos alunos e vender nas cantinas de colégios alimentos ultraprocessados e bebidas açucaradas, como forma de enfrentar a obesidade na infância e na adolescência. A proposta, de autoria de Cesar Maia e outros 14 vereadores, foi aprovada por 31 votos a dez em primeira votação, no último dia 4.

Representantes do Instituto de Estudos para Políticas de Saúde (IEPS), do Instituto Desiderata e da Sociedade de Pediatria do Rio de Janeiro (Soperj) defendem a necessidade de crianças e jovens consumirem produtos não industrializados. Pesquisa do IEPS sobre os cardápios das escolas da prefeitura, em 2020, mostrou que 61% tinham algum alimento ultraprocessado. 

Diretor-executivo do IEPS, Miguel Lago ressalta que é preciso ter nas escolas um “cardápio de verdade”:

“Os ultraprocessados geram obesidade e sobrepeso. É preciso que crianças e jovens recebam uma alimentação de verdade, uma comida normal”.

Leia a reportagem completa no site do jornal “O Globo”