COVID-19 na América Latina: entre a fragilidade do Estado e a falta de liderança
Pessoas com máscara caminham no centro do Rio de Janeiro. Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil
Pessoas com máscara caminham no centro do Rio de Janeiro. Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil

Já se passou um mês desde que a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou a América Latina como o novo epicentro da COVID-19 no mundo. É a primeira vez que o vírus chega com destaque a uma região composta inteiramente por países em desenvolvimento, com menor capacidade estatal do que os países asiáticos e europeus. Em vez disso, a prevalência do vírus no continente se deve à confluência de três trágicas tradições na região: o abismo das desigualdades sociais, a falta de capacidade do Estado e a baixa qualidade da liderança política.

Leia o artigo completo do diretor executivo do IEPS, Miguel Lago, no site “Agenda Pública”