Inovar retornando às premissas: o caso de Sobral
Foto: Divulgação/ Prefeitura de Águas Lindas (GO)
Foto: Divulgação/ Prefeitura de Águas Lindas (GO)

“A gente quer cuidar do paciente antes que ele fique hipertenso ou diabético”. Essa frase, dita por uma agente comunitária de saúde do Centro de Saúde da Família (CSF) Alto do Cristo em Sobral, no Ceará, resume bem o desafio de sistemas universalizantes ou universais de saúde, como o SUS, desde a sua concepção: a necessidade de promover a eficiência do gasto em saúde e humanizar o cuidado. No Sul Global, a discussão sobre eficiência do gasto passa necessariamente pelo investimento na Atenção Primária à Saúde (APS) nas suas ações de promoção e prevenção. Estas ações levam à redução na carga de comorbidades, condições crônicas e neoplasias ao transformar fatores de risco – tabagismo, sedentarismo, histórico familiar, entre outros – em fatores de proteção, como a alimentação saudável e a prática de exercícios físicos. Ainda mais importante do que garantir a eficiência do gasto público, é reiterar sempre o argumento humanista da Declaração de Alma-Ata (1978), que assevera o papel dos governos em garantir uma vida saudável, digna e plena à sua população.

Leia o artigo completo no blog Saúde em Público, uma parceria do IEPS com a Folha de S. Paulo. 

Palavras-Chaves