Mais vulneráveis à COVID-19, doentes crônicos enfrentam barreiras para boa assistência
Fila para testes de COVID-19 em UBS em São Paulo (SP). Foto: Zanone Fraissat/Folhapress
Fila para testes de COVID-19 em UBS em São Paulo (SP). Foto: Zanone Fraissat/Folhapress

Existe uma grande lacuna entre o que as diretrizes brasileiras preconizam para o cuidado das doenças crônicas não transmissíveis (DCNT), como as cardiovasculares e o câncer, e o que de fato está sendo entregue na ponta dos serviços públicos de saúde.

O diagnóstico é de um novo relatório do Instituto de Estudos para Políticas Públicas (IEPS) e a Umane, associação civil de apoio a projetos sociais voltados à prevenção de doenças e promoção da saúde, que envolveu revisão de estudos e entrevistas com gestores públicos, profissionais da saúde e usuários do SUS.

Leia a reportagem completa no site do jornal “Folha de S. Paulo”