Piores estruturas do SUS contra COVID-19 incluem RJ e leste da Grande SP
Uma das alas da Santa Casa onde a Prefeitura pretende inaugurar leitos ambulatoriais em 2 semanas. Foto: Divulgação/Prefeitura Campo Grande (MS)
Uma das alas da Santa Casa onde a Prefeitura pretende inaugurar leitos ambulatoriais em 2 semanas. Foto: Divulgação/Prefeitura Campo Grande (MS)

Levando em consideração apenas a estrutura do Sistema Único de Saúde (SUS), as regiões metropolitanas do Rio de Janeiro e de Campo Grande, além da região do Alto Tietê, que representa o leste da Grande São Paulo, e inclui a cidade de Guarulhos (SP), entre outras cidades populosas, estão entre as áreas mais vulneráveis para o combate à pandemia de coronavírus.

“Nota-se que a região do Rio de Janeiro, além de contar com leitos adultos de UTI abaixo do mínimo, registrou em 2018 uma taxa de mortalidade por doenças semelhantes de 69,3 por 100 mil residentes, acima da mediana, entrando assim para a classificação de especialmente vulneráveis”, destaca o estudo.

Leia a reportagem completa no “UOL”