WEBCAST | A Saúde em um Pós-COVID-19 Brasil: Caminhos para Parcerias Público-Privadas
Imagem: Reprodução de internet
Imagem: Reprodução de internet

Em 27 de maio, o Instituto Brasil, do Wilson Center, e o Instituto de Estudos para Políticas de Saúde (IEPS) promoveram um debate sobre o que uma melhor integração dos sistemas de saúde público e privado poderia significar para o Brasil, durante esta pandemia e para o pós-pandemia. O Brasil, que garante o acesso universal à saúde por meio do sistema público (SUS), também abriga o segundo maior mercado privado de saúde do mundo. Os dois sistemas operam essencialmente em paralelo e frequentemente competem entre si.

Nas últimas semanas, no entanto, a crise da COVID-19 mostrou que a colaboração público-privada é possível e traz benefícios reais, não apenas no contexto imediato, onde a colaboração significa mais leitos hospitalares, médicos e equipamentos disponibilizados onde o Brasil precisa, mas também a longo prazo, onde as parcerias público-privadas podem ajudar a impulsionar a inovação e melhorar a eficiência. Os panelistas discutiram os benefícios das parcerias público-privadas e os obstáculos, como a grande desigualdade do Brasil e a necessidade de uma gestão melhorada dos sistemas, devem ser enfrentados.

“Quando olhamos para a participação entre o público e o privado nas despesas com saúde, vemos que o Brasil investe 3,8% de seu PIB no sistema público, enquanto a média da OCDE é mais próxima de 6,6%, o que significa que temos uma participação maior na despesa privada do que na pública, mesmo tendo um sistema público ambicioso o suficiente para cobrir 200 milhões de pessoas ”.

Assista ao debate completo no site do “Wilson Center”