Governo que produz informação de qualidade pode diminuir o sofrimento mental da população
Fachada do Ministério da Saúde na Esplanada dos Ministérios. Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil
Fachada do Ministério da Saúde na Esplanada dos Ministérios. Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Para escolher a roupa que vai usar para sair hoje você precisou considerar o clima e o local de destino. Para escolher o caminho que vai percorrer até lá você precisou considerar o tempo disponível e o trajeto que melhor atendesse suas necessidades. Para escolher quem são os seus candidatos você precisa conhecer as propostas de cada um e para ir votar, você também vai precisar escolher novamente a roupa e o melhor caminho… Com as políticas públicas não é diferente, para o gestor decidir como vai fazer para implementá-las, monitorá-las e, posteriormente, avaliá-las, ele precisa de informações – e não somente gestores, mas também as pessoas que são afetadas por essas políticas e os pesquisadores que são fundamentais para o aprimoramento das ações. Nas políticas de saúde mental, tão importantes nesse momento conturbado em que vivemos, acontece o mesmo e o acesso à informações transparentes e de qualidade sobre os principais transtornos, sobre como tratá-los e preveni-los são um problema.

Leia o artigo na íntegra no blog Saúde em Público, da Folha de S. Paulo.