Os riscos de ser negro no Brasil e o racismo que mata
Foto: Paula Fróes/Governo da Bahia
Foto: Paula Fróes/Governo da Bahia
Os riscos de ser negro no Brasil e o racismo que mata Ouvir o texto

“A cada 23 minutos, um jovem negro morre no Brasil”. Essa é uma frase que se popularizou a partir de uma campanha das Nações Unidas de 2017 e que chama a atenção para as mortes violentas por trás da desigualdade racial no país. É um problema histórico, mas ainda atual e que abre, ao mesmo tempo, uma janela de debate para as condições de vida e saúde da população negra no Brasil. Os brasileiros negros não só morrem violentamente mais do que os brancos, como têm, na maioria, acesso à educação, emprego e habitação precarizados. Esses fatores contribuem para piores desfechos de saúde e devem ser ponto de atenção para os formuladores de políticas públicas, sobretudo quando observados sob o ponto de vista demográfico, pelo fato de pretos e pardos corresponderem a mais da metade da população brasileira.

Leia o artigo na íntegra no blog Saúde em Público, da Folha de S. Paulo.

Palavras-Chaves