Clínica da Família localizada na capital fluminense.
Clínica da Família localizada na capital fluminense. Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil
Clínica da Família localizada na capital fluminense. Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil
Rio de Janeiro tem a pior cobertura da Atenção Básica do país, revela boletim IEPS Data Ouvir o texto

O estado do Rio de Janeiro apresentou o menor percentual de cobertura da Atenção Básica em 2021, segundo o Boletim IEPS Data n. 2 – Atenção Básica elaborado pelo Instituto de Estudos para Políticas de Saúde (IEPS) a partir da plataforma IEPS Data. A pesquisa mostra que apenas 57,2% da população fluminense tem acesso às equipes da Estratégia Saúde da Família (eSF) e de equipes da Atenção Básica, o que representa a menor taxa em todo país. O Distrito Federal (63,3%) e o estado de São Paulo (63,4%) completam a sequência dos três estados com pior cobertura. 

Os dados do Rio de Janeiro refletem os baixos percentuais alcançados pelo Sudeste, a região do país com o pior desempenho no indicador de Cobertura da Atenção Básica, alcançando apenas 69,3% da população. Os mais bem colocados foram o Nordeste e o Sul do país, com 87,1% e 83,4%, respectivamente. Para Helena Arruda, pesquisadora do IEPS e uma das coautoras da pesquisa, as baixas taxas de cobertura da atenção básica são preocupantes. “Sabemos que diversas doenças podem ser prevenidas ou terem seus sintomas aliviados caso sejam rapidamente detectadas pelos serviços de atenção primária. Quando isso não acontece, além do prejuízo para a saúde do indivíduo, há o risco de sobrecarga nos serviços de saúde”, afirma. 

Indicadores de Atenção Básica por UF (2021)

Indicadores de Atenção Básica por UF em 2021. Fonte: Boletim IEPS Data n. 2 – Atenção Básica

Cobertura Vacinal abaixo da cobertura mínima

O estado do Rio também apresentou percentuais alarmantemente baixos na cobertura vacinal de poliomielite, outro indicador analisado pelo Boletim IEPS Data n. 2.  De forma geral, a cobertura vacinal de poliomielite é baixa em todos os estados, e nenhum alcançou o percentual de 95% de abrangência das crianças de até 4 anos de idade. No entanto, a situação é especialmente deficiente no Rio de Janeiro. O estado alcançou apenas 55,8% da população-alvo em 2021, dividindo o ranking de estados com as piores coberturas como Amapá (45,4%),  Roraima (51%) e Pará (56,8%). 

Pré-natal adequado: Rio apresenta pior percentual da região Sul e Sudeste com 69,6%

O cenário se repete na análise da cobertura de pré-natal adequado. O percentual de nascidos vivos cujas mães tiveram seis ou mais consultas até a 12ª semana de gestação foi de apenas 69,6% no Rio de Janeiro. Com esse valor, o estado aparece como o único dentre os estados das regiões Sul e Sudeste com cobertura abaixo dos 70%.

Paraná (82,7%), São Paulo (80,9%), Minas Gerais (79%), Santa Catarina (78,6%), Rio Grande do Sul (77,8%) e Espírito Santo (75,6%) apresentam as melhores  taxas do país. O acompanhamento pré-natal é essencial para a prevenção e detecção precoce de patologias que possam afetar a gestante ou o feto, contribuindo para a redução dos riscos da gestação e do desenvolvimento da criança, podendo trazer impactos negativos mesmo após o nascimento.

Estados da região Norte também se destacam por baixos percentuais nos indicadores analisados

Em nível municipal, a região Norte apresenta os menores percentuais de completude dos indicadores de saúde analisados no boletim. Enquanto as regiões Sul (43,1%) e Sudeste (32.2%) apresentam maior percentual de municípios com cobertura elevada de nascidos vivos com pré-natal adequado, entre 83,6 a 100%, à exceção do Rio de Janeiro (69,6%), o Norte (3,7%) apresenta o menor percentual de municípios nessa faixa. Na análise da cobertura de atenção básica e cobertura vacinal de poliomielite o cenário se repete.

Indicadores de Atenção Básica por município (2021)

Indicadores de Atenção Básica por município em 2021. Fonte: Boletim IEPS Data n. 2 – Atenção Básica

Roraima (44,1%) e Amapá (47,4%) estão entre os estados que apresentam menores percentuais na cobertura de pré-natal adequado, não alcançando nem a metade dos nascidos vivos em 2021. Os estados também têm baixos indicadores para cobertura vacinal de poliomielite e cobertura da atenção básica. 

Conheça o IEPS Data

Lançado em 2022, o IEPS Data é uma ferramenta que permite a análise e comparação de dados de saúde de todo o Brasil de forma acessível e robusta. O projto é uma iniciativa da Diretoria de Pesquisa do IEPS e foi criado com o objetivo de facilitar e ampliar o acesso aos dados de saúde do país. O portal reúne dados dos 5.570 municípios brasileiros e mais de 180 indicadores, que podem ser analisados a partir de diferentes recortes geográficos no período de 2010 a 2021.  Acesse a platafomra em  iepsdata.org.br.