Saúde mental nas escolas: IEPS e Instituto Cactus divulgam cartilha com dez propostas inéditas para o Executivo e o Legislativo
Capa da publicação “10 ações para políticas de Saúde Mental nas escolas” elaborada pela IEPS em parceria com o Instituto Cactus. Arte: Estúdio Massa
Capa da publicação “10 ações para políticas de Saúde Mental nas escolas” elaborada pela IEPS em parceria com o Instituto Cactus. Arte: Estúdio Massa

A pandemia de Covid-19 impactou a saúde mental de crianças e adolescentes e contribuiu, segundo pesquisas recentes, para o aumento expressivo das taxas de suicídio, depressão, casos de violência no ambiente escolar, entre outros transtornos. Para fortalecer o debate e enfrentar esse grave cenário de saúde, o Instituto de Estudos para Políticas de Saúde (IEPS) e o Instituto Cactus divulgam hoje o documento “10 ações para políticas de Saúde Mental nas escolas” com recomendações para o Executivo e o Legislativo Federal.

O documento será apresentado e discutido na próxima segunda-feira (24/04), às 13h, em mais uma edição do Diálogos IEPS, que contará com a participação da deputada federal Tabata Amaral (PSB-SP). O evento será transmitido ao vivo no canal do IEPS no Youtube. A publicação apresenta um compilado de pesquisas, dados atualizados e evidências robustas que contextualizam as recomendações ao governo e aos parlamentares para que aprimorem a relação entre a Rede de Atenção Psicossocial (Raps) e o Programa Saúde na Escola (PSE), fortalecendo o Sistema Único de Saúde (SUS) e, consequentemente, melhorando a vida deste de crianças e adolescentes de todo o Brasil.

Um monitoramento do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), publicado em 2019, mostrou que a automutilação e suicídio estiveram entre as principais causas de mortalidade, que totalizam mais de 67 mil mortes anuais, estando os transtornos depressivos, de ansiedade e problemas comportamentais entre os maiores contribuintes para a carga de doença entre os jovens.

Em 2013, a taxa de prevalência de transtornos mentais entre crianças e adolescentes estava entre  10,8% e 12,7%. Depois da pandemia, esse cenário piorou drasticamente. Dados divulgados pela Unicef em 2021 mostram que 56% dos adultos reportaram que um adolescente de seu domicílio apresentou um ou mais sintomas relacionados à saúde mental durante o isolamento social, incluindo: mudanças repentinas de humor e irritabilidade (29%) e até mesmo alterações no apetite (25%). 

Diálogos IEPS #11

Além da deputada Tabata Amaral (PSB-SP), participam do Diálogos IEPS #11 Dayana Rosa, especialista de Relações Institucionais do IEPS; Bruno Ziller, coordenador de projetos do Instituto Cactus; e representantes da Plan International Brasil, organização humanitária, não governamental e sem fins lucrativos, que promove os direitos de crianças e adolescentes.

Saúde mental nas escolas: IEPS e Instituto Cactus divulgam cartilha com dez propostas inéditas para o Executivo e o Legislativo
A 11ª edição do Diálogos IEPS, que acontece na próxima segunda-feira (24/04), às 13h, irá debater os caminhos e desafios para as políticas de saúde mental no Brasil

Propostas ao governo federal e Congresso Nacional

Ao todo, seis recomendações estão direcionadas ao governo federal e quatro ao Congresso Nacional. Dentre elas, está a necessidade de inclusão de perguntas relacionadas à Saúde Mental nos questionários do IBGE e a efetivação da presença de psicólogos e assistentes sociais em ambiente escolar. Para o Legislativo, um dos destaques é o pedido de aprovação do Projeto de Lei nº 3.383/21, que institui a Política Nacional de Atenção Psicossocial nas Comunidades Escolares.

Acesse o documento “10 ações para políticas de Saúde Mental nas escolas” aqui.