RESUMO EXECUTIVO – Existe importante literatura já publicada sobre saúde na Amazônia Legal. No entanto, em grande medida o conhecimento acumulado até aqui se baseia em estudos de caso, as evidências são muitas vezes fragmentadas em tópicos ou regiões, e são poucas as análises mais sistemáticas. Neste estudo, utilizamos métodos mistos de pesquisa, combinando técnicas quantitativas e qualitativas, com o objetivo de contribuir com novas evidências para o debate sobre o tema. O largo alcance dos dados e de entrevistas envolvidas neste estudo, bem como a interação entre a abordagem quantitativa e qualitativa, nos permitiu alcançar possibilidades analíticas inéditas.

Documentamos uma série de especificidades da região e problemas graves que requerem reação rápida de União, estados e municípios. Este é o caso de questões muito bem caracterizadas pela experiência de atores locais e indicada pelos dados: por exemplo, dentre tantas, a necessidade de consolidação de uma base de dados sobre a saúde indígena; a violência e a prevalência de problemas de saúde da mulher em áreas de exploração do garimpo; a mortalidade infantil por doenças de veiculação hídrica e a precariedade das instalações de unidades básicas de saúde. Estes temas são discutidos em destaque em Boxes ao longo do texto e detalhados no anexo deste estudo.

Baixe o documento e leia na íntegra